terça-feira, 16 de maio de 2017

“Antonio Candido um exemplo de coerência” - Por Marcelo Lambert


Olá amigos, 

Segue um incrível texto do grandioso intelectual Antonio Candido. Essa postagem é apenas uma pequena homenagem a esse homem que tanto contribui para o desenvolvimento de nosso país.

Resultado de imagem para Antonio Candido
Antonio Candido 

“Acho que uma das coisas mais sinistras da história da civilização ocidental é o famoso dito atribuído a Benjamim Franklin, ‘tempo é dinheiro’. Isso é uma monstruosidade. Tempo não é dinheiro. Tempo é o tecido da nossa vida, é esse minuto que está passando. Daqui a 10 minutos eu estou mais velho, daqui a 20 minutos eu estou mais próximo da morte. Portanto, eu tenho direito a esse tempo. Esse tempo pertence a meus afetos. É para amar a mulher que escolhi, para ser amado por ela. Para conviver com meus amigos, para ler Machado de Assis. Isso é o tempo. É justamente a luta pela instrução do trabalhador é a luta pela conquista do tempo como universo de realização própria. A luta pela justiça social começa por uma reivindicação do tempo: ‘eu quero aproveitar o meu tempo de forma que eu me humanize’. As bibliotecas, os livros, são uma grande necessidade de nossa vida humanizada".
Antonio Candido






Imagem relacionada
Indico esse livro é incrível 

Antonio Candido de Mello e Souza (Rio de Janeiro, 24 de julho de 1918  São Paulo, 12 de maio de 2017) foi um sociólogo, literato e professor universitário brasileiro. Estudioso da literatura brasileira e estrangeira, é autor de uma obra crítica extensa, respeitada nas principais universidades do Brasil. À atividade de crítico literário somou-se a atividade acadêmica, como professor da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo.
Foi professor-emérito da USP e da UNESP, e doutor honoris causa da Unicamp e da Universidade da República do Uruguai (2005).
Entre outros prêmios por seu trabalho, recebeu o Prêmio Jabuti em 1965 e novamente em 1993, o Prêmio Machado de Assis em 1993, o Prêmio Anísio Teixeira em 1996 e o Prémio Camões em 1998.

MUITA LUZ
DO AMIGO
MARCELO LAMBERT

Nenhum comentário:

Postar um comentário